Livro 2: Sobre o Ister (Danúbio)
Tradução por K Lúthien

XXXIII. Isso é o bastante da história contada por Etearchus, o Ammoniano; exceto que ele disse que os Nasamonianos retornaram, como os homens de Cyrene me contaram, e que o povo de cujo país eles vieram eram todos feiticeiros; [2] a respeito do rio que corria pela cidade, Etearchus pensou ser o Nilo; e a razão prova o porquê. Pois o Nilo flui da Líbia, bem no meio dela; como eu suponho, pensar sobre coisas desconhecidas de sinais visíveis, ele nasce proporcionalmente tão longe quanto o Ister. [3] O Ister flui da terra dos Celtas e da cidade de Pyrene através do próprio centro da Europa; agora os Celtas vivem além dos Pilares de Hércules, sendo vizinhos dos Cónios, que são os mais ocidentais de todos os povos que habitam a Europa. [4] O Ister, então, corre através da Europa e acaba o seu curso no mar Euxine, na Istria, que é habitada por colonizadores Miletos.
XXXIV. O Ister, uma vez que corre através de um país habitado, é conhecido a partir de muitos relatos; mas ninguém pode falar da nascente do Nilo; pois a Líbia, por onde ele corre, é inabitada e desértica. Em relação ao seu curso, eu relatei tudo que eu pude aprender por perguntas e ele corre para o Egito. Agora o Egito fica a frente da parte montanhosa da Cilicia; a partir daí, é uma jornada de linha reta de cinco dias para um homem sem peso até Sinope, no Euxine; e Sinope fica em frente ao lugar onde o Ister deságua no mar. Assim eu suponho que o curso do Nilo em sua passagem pela Líbia seja como o curso do Ister.
XXXV É o bastante dizer isso a respeito do Nilo. Mas a respeito do Egito eu vou falar longamente, porque tem mais maravilhas, e em toda parte apresenta obras além da descrição; por tanto eu devo dizer mais sobre o Egito.

Livro 4: Sobre o Ister (Danúbio)
Tradução por Tatiane Carvalho

XLIX. Esses são os rios Citas nativos que ajudam-no a crescer; mas o rio Maris, que se mescla com o Ister, flui de Agathyrsi. O Atlas, Auras e Tibisis, outros três grandes rios que fluem paradentro dele, fluem pelo norte através das alturas do Haemus. O Athrys, o Noes e o Artanes fluem para o Ister do país dos Crobyzi, na Trácia; o rio Cius, que corta pelo meio do Haemus a partir dos Paeonians e a cordilheira de Rhodope. [2] O rio Angrus flui pelo norte de Illyria para a planície Triballic e o rio Brongus no Ister, que recebe esses dois grandes rios em si. O Carpis e outro rio chamado Alpis também fluem para o norte, pelo norte do país dos Ombrici, para fluir por ele; [3] O Ister atravessa toda a Europa, elevando-se entre os Celtas, que são os moradores mais ocidentais da Europa, com exceção dos Cónios, e fluindo assim límpido através a Europa, ele desemboca ao longo das fronteiras da Cítia.
Fonte: Heródoto, traduzido pela Ad Godley. Cambridge. Harvard University Press. 1920.