Cerimônia de Casamento de Lívia e Ricardo

Categories: Eventos

Lívia sendo Lívia (foto por Estúdio Barbarella)

O dia 17 de maio foi um momento especial para o Ramo de Carvalho, pois foi a primeira cerimônia religiosa de casamento celebrada pelos membros de nossa tradição, e também a cerimônia de casamento de um dos membros da nossa tradição, a Druwids Segâna (‘Druidesa Discípula’) Lívia Biancalana. A cerimônia foi celebrada pelo Bardos Wallace Cunobelinos e pela Wátis Segâna Vera Strabeli. O convite do casal (Lívia e seu marido, Ricardo Rolim) deixou aos cerimonialistas (os membros mais antigos do Ramo de Carvalho) extremamente honrados, e fizemos o melhor para que a cerimonial fosse inesquecível. O casal (já unido pelos laços civis) pediu por uma cerimônia que incorporasse os elementos do Druidismo, como uma forma de benção; a cerimônia seria realizada no litoral à beira-mar, pois ambos tem forte ligação com o mar e suas entidades, especialmente Manannán mac Lir. A cerimônia foi preparada com muito cuidado e carinho por todos. O local escolhido, a Pousada Maranduba (que fica entre Caraguatatuba e Ubatuba, no litoral de São Paulo) é absolutamente lindo e fica em frente a uma praia muito bem cuidada e sossegada (afinal, estávamos em maio); a cerimônia também contou com a presença de nossos amigos (e membros honorários do Ramo) do Olam Ein Sof, que cuidaram da trilha sonora da cerimônia com uma enorme beleza. Junto aos convidados, amigos e família dos noivos, tudo estava perfeito.

10418488_799945670040214_4885326136659605113_n

Olam Ein Sof (foto por Luiza Rolim)

A cerimônia foi realizada à beira-mar e, tão logo tudo estava pronto, o Olam Ein Sof começou a tocar para entreter aos presentes. Os cerimonialistas também começaram a arrumar todo o material litúrgico, que envolvia não apenas objetos típicos da espiritualidade céltica, mas também objetos pessoais dos noivos, além de um lindo caldeirão de pedra e cobre para conter a chama. Tudo estava perfeitamente organizado, com bancos dispostos, cópias do cerimonial estavam disponíveis para todos (e mesmo repelentes para insetos, essenciais para uma cerimônia a céu aberto no litoral); o clima estava gostoso, com algumas nuvens no céu, mas com temperatura agradável e nenhuma ameaça de chuva. O mar estava calmo (e um dos cerimonialistas presentes foi se certificar de pedir as bênçãos ao mar e a Manannán para o dia) e receptivo, e a ilha e os barcos ao fundo davam um clima especial a tudo; a área ao redor da pousada vai em direção à Serra do Mar, e ali estávamos todos abençoados pela Terra, pelo Céu, e pelo Mar. E todos, cerimonialistas, músicos e convidados, estavam apreensivos.

Casal descendo em procissão (foto por Estudio Barbarella)

O casal de noivos se aproximou em procissão, precedidos por um casal de amigos que consideravam um exemplo para si próprios, de acordo com a tradição; eles vieram juntos, de mãos dadas, e de mãos dadas deram uma volta em déosil (o sentido horário, relativo aos momentos sacros na tradição céltica), tudo isso ao som de Lough Érne Shore (em versão exclusiva do Olam Ein Sof), e já nitidamente emocionados. Após se posicionarem, o casal foi purificado pelas forças do Fogo e da Água com um Saining, um procedimento há muito dominado com maestria pela Vera, mas que foi especialmente emocionante desta vez, pois Lívia e Vera entoaram a invocação poética juntas, em uníssono. Então foi a vez de Wallace proclamar o porquê de todos estarem ali, para que os noivos pudessem assumir seu compromisso perante às forças da natureza, principalmente o seu amado mar (a cerimônia evitou um tanto o uso de termos tradicionais do Druidismo e dos nomes de deidades, uma vez que a grande maioria dos convidados não era da nossa tradição), em uma oração pronunciada em uníssono pelos dois; Vera atou os pulsos dos noivos com uma corda de handfasting que foi tecida pelos próprios noivos e decorada com símbolos do que era querido pelo casal, além de guizos terem sido amarrados junto ao casal, como forma de afastar maus espíritos. Então foi a vez do casal, muito emocionado, contar ao público a sua própria história, seu mito pessoal, onde não podia faltar a sua ligação tão especial com o mar. Muitos convidados estavam extremamente emocionados, quase tanto quanto o casal. E ao final os noivos partiram para a sua saudação pessoal ao mar, para lançar pedras às ondas como uma forma de pedir sorte, e saltar ondas em meio ao mar.

10451172_10152558896989084_2810417822720179621_n

Lívia e Ricardo (foto por Estúdio Barbarella)

10392454_10152558845104084_5744617762467639431_n

Wallace (foto por Estúdio Barbarella)

10258872_762965023748861_6388536993722915317_n

Vera cuidando do Handfasting (foto por Monica Miradouro)

 

A cerimônia terminou naquele momento, mas todos partimos para um delicioso banquete junto aos convidados. Os membros do Ramo (Wallace e Vera), juntos dos queridos amigos do Olam Ein Sof (que, no fim das contas, são parte do Ramo também…), permaneceram na mesma mesa, junto a familiares da noiva, mas todos saudamos o casal efusivamente; soubemos depois que o casal voltou à praia para um banho de mar com os amigos, e isso não deixa de ser parte do ritual. Uma das coisas que mais nos deixou felizes foi a participação dos convidados, que não só respeitaram a nossa tradição, mas também a sentiram, e não foram poucos os elogios e agradecimentos. De coração leve voltamos para São Paulo, mas a semente que ali foi plantada germina; e esperamos que cresça para sempre: Lívia e Ricardo, que a felicidade esteja sempre no seu caminho!!!

(o artigo foi publicado na página do grupo com um pouco de atraso, mas esse evento nunca poderia passar sem registro na história do Ramo de Carvalho)

Author:

2 Responses to "Cerimônia de Casamento de Lívia e Ricardo"

  1. Adriana Colaço Posted on 16 de setembro de 2014 at 11:58

    Linda cerimônia…Parabéns

  2. Livia Biancalana Posted on 16 de setembro de 2014 at 15:46

    Querido Wallace, é difícil agradecer você por ser exatamente quem você é. É difícil agradecer à você, Vera, Fernanda e Marcelo por darem amor de uma maneira tão genuína, já que não o fazem como se fosse um fardo..um favor…fazem porque lhes é natural, vocês são assim. Então acho melhor agradecer aos deuses por colocarem todos vocês em minha vida. Em nossa vida (minha e do Ricardo) e agradecer a honra de poder compartilhar deste dia que nunca esquecerei com pessoas tão especiais.

Deixe uma resposta