O Estabelecer dos Feudos de Tara

1- Os Ui Neill estiveram uma vez em conferencia em Magh Breigh, nos tempos de Diarmait filho de Fergus Cerball, e isso foi o que discutiram. O território de Tara parecia excessivo para eles, isto é, a planície com sete vistas em cada lado, e eles consideraram reduzir aquele verde, pois julgavam desperdício haver tantas terras sem casas ou cultivo sobre elas, e de nenhuma utilidade à corte de Tara. Pois a cada três anos eles eram obrigados a apoiar os homens da Irlanda e a alimenta-los por sete dias e sete noites. Foi dessa forma então que eles procederam para o banquete de Diarmait Mac Cerbaill. Nenhum rei foi sem uma rainha, ou um chefe sem sua esposa, ou guerreiro sem concubina, ou tolo sem uma mulher, ou hospede sem uma consorte, ou jovem sem uma amada, ou donzela sem um amante, ou homem sem uma arte.

2- Os reis e ollaves (ollamha) foram colocados ao redor de Diarmait MacCerbaill, isto é, reis e ollaves juntos, guerreiros e soldados juntos. Os jovens e donzelas e o orgulhoso povo imprudente nas câmaras ao redor das portas; e sua própria porção era dada a cada um, isto é, escolher fruta, e gado, e javali, e ave, para reis e ollaves e para os antigos nobres livres dos homens da Irlanda da mesma forma: servos e servas cortando e servindo a eles. Então carne vermelha de espetos de ferro, e pães, e cerveja nova, e leite aguado para guerreiros e soldados: e bufões e copeiros cortando e servindo-os. Cabeças e pés e miúdos de todos os tipos de gado para os carroceiros, malabaristas e para o povo e baixo comum, com carroceiros e malabaristas e porteiros cortando e servindo-os. Vitela então, e cordeiro e porco e a sétima porção externa para jovens homens e donzelas, porque seus risos os entretinham e sua nobreza os aguardava. Mercenários livres e serviçais contratadas cortavam e os serviam.

3- Os nobres da Irlanda foram então chamados para o banquete na casa de Diarmait MacCerbaill. E eles disseram que não partilhariam do banquete até que o estabelecimento das divisões de Tara fosse determinado, como elas eram antes de seus dias e como elas seriam após eles por todos os tempos, e eles exigiram essa resposta de Diarmait. E Diarmait respondeu que não era correto perguntar a ele pela divisão das terras de Tara sem pedir o conselho de Flann Febla filho de Scannlan filho de Fingen, isto é, o chefe da Irlanda e sucessor de Patricio, ou de Fiachra filho da bordadeira. Mensageiros foram então enviados a Fiachra filho de Colman filho de Eogan, e ele foi trazido então para ajuda-los, pois poucos eram os homens eruditos e muitos eram os leigos, e numerosas as suas contendas e seus problemas.

4- Então Fiachra chegou, e eles perguntaram a ele pela mesma coisa, a saber, a divisão para eles das terras de Tara. E ele respondeu que não daria uma resposta sobre aquele assunto até que eles procurassem por alguém mais velho e mais sábio que ele. “Onde está ele ?”, disseram eles. “Não é dificil responder,” disse ele, “é Cennfaelad filho de Aillil filho de Muiredach filho de Eogan filho de Niall. É de sua cabeça,” disse ele, “que a mente foi tirada do esquecimentona batalha de Magh Rath, isso quer dizer que ele se lembra de tudo o que ele ouviu sobre a historia da Irlanda desde aquele tempo até esses dias. É correto que ele venha decidir por vocês.”

5- Cennfaelad foi então convocado, e ele veio, e eles perguntaram a ele pela mesma coisa. E Cennfaelad replicou: “Não é próprio para vocês pedirem isso de mim enquanto os cinco senhores de todos nós estiverem na Irlanda.” “Onde estão eles ?” disseram os homens da Irlanda. “Não é difícil dizer,” disse ele, “Finnchad de Falmag de Leinster, e Cú-alad de Cruachu Conalad, e Bran Bairne de Bairenn, Dubán filho de Deg da provincia de Fir Olnegmacht, Tuan filho de Cairell de Ulster, aquele que passou por muitas formas.”

6- Esses cinco foram então convocados, e eles foram trazidos à Tara, e eles perguntaram pela mesma coisa deles, a partição das terras de Tara. Então cada um dos cinco relatou o que ele se lembrava, e isso era o que eles se lembravam, e isso foi o que eles disseram, que não era adequado para eles dividirem Tara e suas terras enquanto seu mais antigo e professor não estivesse na assembleia. “Onde ele está ?”perguntaram os homens da Irlanda. “Não é difícil dizer,” disseram eles, “Fintán, filho de Bóchra, filho de Bith, filho de Noé. Ele estava em Dun Tulcha em Kerry.”

7- Então Berran, ajudante de Cenfáelad, foi por Fintán a Dun Tulcha, a oeste de Luachair Dédad. E ele entregou sua mensagem. Então Fintán veio com ele a Tara. E sua escolta consistia de dezoito companhias, a saber, nove à sua frente e nove à suas costas. E não havia nenhum dentre eles que não fosse da semente de Fintán – filhos, netos, bisnetos e seus descendentes eram aquela hoste.

8- Uma grande recepção foi dada a Fintán na casa de banquetes, e todos estavam alegres com sua vinda para ouvir suas palavras e suas historias. E todos eles se levantaram perante ele, e lhe ofereceram sentar na cadeira do juiz. Mas Fintán disse que não iria enquanto não conhecesse a questão. E ele disse a eles “Não há necessidade de se fazerem regozijar por mim, pois estou certo de suas boas vindas como cada filho é ciente de sua madrinha, e essa então é minha madrinha,” disse Fintán, “a ilha em que estais, a própria Irlanda, e o joelho familiar dela é a colina em que estais, a saber, Tara. Mais ainda, foram a glande e produção, as flores e a comida dessa ilha que me salvaram do Diluvio até hoje. E eu sou conhecedor de seus banquetes e seus roubos de gado, suas destruições e suas cortes, em tudo que teve lugar do Diluvio até agora.” E então ele fez uma canção:

9- Irlanda, embora seja perguntado a mim,

Eu sei precisamente

Cada colonização que se fora

Desde o inicio do agradável mundo

Cessair veio do leste,

a mulher, filha de Bith,

com suas cinquenta donzelas

e seu trio de homens

O Diluvio pegou a eles

Embora fosse uma triste compaixão,

e afogou a todos eles

cada um em sua altura

Bith ao norte em Sliab Betha,

triste era o mistério,

Ladru em Ard Ladrann,

Cessair em seu esconderijo.

Quanto a mim, fui salvo

pelo filho de Deus, uma proteção sobre a multidão

o Diluvio se afastou de mim

sobre o massivo Tul Tuinde.

Eu estive um ano sob o Diluvio

no arco de Tul Tuinde.

Não há sono, não haverá,

algum sono melhor.

Então Parthalon veio a mim

do leste, da terra grega,

e eu vivi com sua progênie

embora fosse um longo caminho.

Eu ainda estava na Irlanda,

quando ela se tornou um ermo,

até o filho de Agnomain vir,

Nemed, agradáveis os seus caminhos.

A seguir vieram os Fir Bolg,

essa é uma historia claramente verdadeira.

Eu vivi junto com eles,

enquanto eles estiveram na terra.

Os Fir Bolg e Fir Galion

vieram, foi muito tempo (depois).

Os Fir Domnann vieram,

eles aportaram em Irrus no oeste.

Então vieram as Tuatha Dé

em nuvens de névoas sombrias,

e eu vivi junto com eles

embora fosse uma longa vida.

Os filhos de Mil vieram então

para a terra, contra eles.

Eu estive com cada tribo

até o tempo em que vocês veem.

Após isso vieram os filhos de Mil

da Espanha do sul

e eu vivi junto com eles

embora poderoso fosse seu combate.

Eu estou preso à longa vida,

Eu não esconderei isso,

quando a Fé veio a mim

do Rei do céu nevoento.

Eu sou o branco Fintán

Filho de Bóchra, eu não esconderei.

Desde o Diluvio aqui

Eu sou um nobre alto sábio.

10- “Bom, oh Fintán,” disseram eles, “Nós somos os melhores para qualquer negligencia que possa ser causada a ti, e nós devemos saber de ti o quão confiável sua memória é.” “Não é difícil,” disse ele, “Um dia eu passava por uma floresta no oeste de Munster. Eu peguei para mim uma baga de teixo vermelho e eu a plantei no jardim de minha corte, ela cresceu até que ficou grande como um homem. Então eu o removi do jardim e o plantei no gramado de minha corte, e ele cresceu no centro daquele gramado até que eu pudesse estar com cem guerreiros debaixo de sua folhagem. Eu permaneci, e assim fez meu teixo, florescendo junto até que ele perdeu sua folhagem para a ruina. Então quando eu não tinha esperança de que ele mudasse, para meu bem, eu o cortei de seu lugar, e fiz dele sete tinas, e sete baldes, e sete vasos, e sete vasilhas, e sete jarras, e sete canecas, e sete copos, com alças para todos eles. Assim eu permaneci e minhas vasilhas de teixo estiveram comigo até que suas alças caíram pela decadência e idade. Então, eu refiz todas elas, mas eu só fiz um balde de uma tina, e um vaso de um balde, e uma vasilha de um vaso, e uma jarra de uma vasilha, e uma caneca de uma jarra, e um copo de uma caneca. E eu juro pelo Deus Todo Poderoso que eu não sei onde estão esses substitutos desde que eles pereceram pelo tempo.

11- “Tu és sem duvida venerável,” disse Diarmait. “É uma transgressão o julgamento de um ancião estar acima de teu julgamento. E é por essa razão que chamamos a ti, para que pronuncies um julgamento justo para nós.” “É verdadeiro, sem duvida,” disse ele, “que sou conhecedor em cada julgamento justo que foi realizado desde o inicio do mundo até hoje.” E então ele fez a seguinte canção:

12- Eu conheço nesse caminho,

nenhum tolo o encontrará,

o primeiro juiz, garboso e sem se esconder,

que pronunciou sem falha o primeiro julgamento.

Julgamento sobre o Demonio em Druim Den.

Eu sei a maneira na qual ele foi dado.

Querido Deus o deu, a noticia se espalhou,

de que como foi o primeiro crime, foi o primeiro julgamento.

O dom divino do querido Deus,

de que os homens deveriam ter julgamento,

a lei da bela fala (ie. Latim) foi dada

a Moisés, maior do que qualquer boa lei.

Moisés entregou, brilhante feito,

os julgamentos perfeitos da carta.

David entregou depois disso

os verdadeiros julgamentos da profecia.

Fénius Farsaid, longa vida de serviço,

e Cai Cáin-brethach,

por eles foram dadas, nenhum insignificante festival,

as duas e setenta línguas.

Amairgen da ilha dos Gael,

nosso ouro, nossa glória, nosso raio,

Amairgen Glungeal, o valoroso

deu o primeiro julgamento sobre Tara.

Três reis em Liathdruim na Ler

e os quatro filhos de Mil,

eles disputaram pela poderosa posse

da ilustre ilha da Irlanda.

Aqui Amairgen pronunciou para eles

os mais sábio e belo julgamento

que os filhos de Mil deveriam ir além

de nove ondas no risonho mar.

Então eles partiram para o mar,

os quatro filhos do rei da Espanha,

e eles enterraram, um festival sobre as ondas,

Dond, que eles deixaram em Tech Druind.

Após valente e astuta luta,

Ir foi deixado na ríspida terra do Skellig.

Então as hostes de Eber e Eremon

partiram para o Leste,

e após a perda de sua força eles ocuparam

a Irlanda, ao escapar do Egito.

Então Jesus nasceu

da donzela Maria,

e julgamentos foram declarados com bondade,

através da nova comunhão divina.

Isso é suficiente de eloquência…

a pequena coroa da realização de belos julgamentos,

que as ávidas hostes devem saber,

que eles precisam ser eruditos no conhecimento.

13- “Bom, oh Fintán,” disseram eles, “Nós ficamos melhores com tua vinda para relatar a historia da Irlanda.” “Eu me lembro realmente,” disse ele, “ da progressão da historia da Irlanda, como ela tem estado até agora, e como ela estará até o fim do mundo.” “Uma pergunta,” disseram eles, “como tu o adquiriste, e o da historia que é indispensável para nos ajudar no assunto de nossa discussão, a divisão das terras de Tara ?” “Não é difícil isso, “ disse Fintán, “Eu relatarei, por enquanto, algo a vocês.”

14- “Uma vez estávamos realizando uma grande assembleia dos homens da Irlanda ao redor de Conaing Bec-eclach, Rei da Irlanda. No dia daquela assembleia, então, vimos um grande herói, belo e poderoso, aproximando-se de nós do oeste ao entardecer. Muito nos surpreendemos com a magnitude de sua forma. Tão alto quanto uma floresta era a altura de seus ombros, o céu e o sol visíveis entre suas pernas por seu tamanho e altura. Um brilhante véu de cristal havia sobre ele, como se feito do mais precioso linho. Sandálias estavam sobre seus pés e não é conhecido o material de que elas eram feitas. Cabelo louro havia sobre ele, caindo em cachos até a altura de suas coxas. Tabuletas de pedra havia em sua mão esquerda, um ramo de três frutos em sua mão direita, e esses eram os três frutos que nele havia, nozes, maçãs, e bolotas da época de Maio: e inteiriço estava cada fruto. Ele passou por nós, então rodeou a assembleia, com seu dourado ramo multicolorido de madeira do Líbano atrás dele, e um de nós lhe disse, “Venha até aqui e fale com o rei, Conaing Bec-eclach.”Ele fez sua resposta e disse, “O que é que vós desejais de mim ?” “Saber de onde vieste,” disseram eles, “e para onde vai, e qual é teu nome e sobrenome.”

15- “Eu venho, de fato,” disse ele, “ do pôr-do-sol e estou indo para o amanhecer, e meu nome é Trefuilngid Tre-eochair.” “Porque esse nome foi dado a ti ?” disseram eles. “Fácil dizer,” disse ele, “porque sou eu quem causa o nascer e o pôr-do-sol.” “E o que trouxe a ti no pôr-do-sol, se é ao nascer que tu deveria estar ?” “Fácil dizer,” disse ele. “Um homem que foi torturado – isto é, foi crucificado pelos Judeus hoje; pois ele passou por eles após esse feito, e não brilhou sobre eles, e isso e foi isso que me trouxe ao pôr-do-sol, para descobrir o que aflige o sol; e então isso me foi revelado, e quando eu soube das terras onde o Sol se põe, eu vim de Inis Gluairi para Irrus Domnann; e eu não encontrei nenhuma terra ao oeste, pois aquela é a fortaleza onde o Sol se põe, como o paraíso do Adão é a fortaleza de onde o sol se levanta.”

16- “Diga então,” disse ele, “qual é a raça de vós, e de onde viestes para esta ilha?” “Fácil dizer,” disse Conaing Bececlach, “Dos filhos de Mil da Espanha e dos Gregos viemos. Após a construção da torre de Nimrod, e da confusão das línguas, nós chegamos ao Egito, a convite de Faraó Rei do Egito. Nél filho de Fénius e Goedel Glas foram nossos chefes enquanto estávamos no sul. Por isso éramos chamados de Féne por causa de Fénius, que é o Féne, e Gaels por causa de Gaedel Glas, como é dito:

‘Os Féne por Fénius são nomeados, significando sem linhagem,

Os Gael por Gaedel Glas, o hospitaleiro, os Escotos por Scota.

‘Scota, então,a filha de Faraó, o rei, foi dada como

esposa a Nél filho de Fénius, em sua ida ao Egito. Então ela é

nossa ancestral, e por isso nós somos chamados de Escotos.’

17- Na noite em que os filhos de Israel escaparam do Egito, quando eles passaram com os pés secos pelo Mar Vermelho com o líder do povo de Deus, o próprio Moisés filho deAmram, e quando Faraó e sua hoste foram afogados naquele mar por terem mantido os Hebreus em escravidão, por nossos ancestrais não terem acompanhado os Egípcios em perseguição ao povo de Deus eles despertariam a fúria de Faraó contra eles quando ele retornasse, e mesmo se Faraó não retornasse eles temiam que os Egípcios os escravizassem como outrora escravizaram os filhos de Israel. Então eles escaparam à noite em dez dos navios de Faraó pelo estreito do Mar Vermelho até o oceano sem fronteiras, ao redor do mundo a noroeste, passaram as montanhas do Cáucaso, a Cítia, e a Índia, através do mar que há lá, chamado Cáspio, sobre o Palus Maeotis, passaram pela Europa, do sudeste ao sudoeste, através do Mediterrâneo, a esquerda da África, passaram pelas Colunas de Hercules até a Espanha e de lá até essa ilha.”

 18- “E Espanha,” disse Trefuilngid, “onde fica essa terra?” “Não é difícil dizer, é a distancia de um grande prospecto de nós ao sul,” disse Conaing, “Foi pela vista que Ith, filho de Bréogan, viu as montanhas de Irrus do topo da torre de Bréogan na Espanha, e ele é quem veio espionar essa ilha para os filhos de Mil, e em sua trilha nós viemos até ela, no nono ano da passagem dos Israelitas pelo Mar Vermelho.”

19- “Quantos são vocês nessa ilha?” disse Trefuilngid. “Eu gostaria de vê-los reunidos em um lugar.” “Nós não somos tão poucos, de fato,” respondeu Conaing, “e se tu desejas isso, então que seja feito; só que eu penso que isso vai angustiar o povo por te atender nesse período.” “Não haverá angustia, pois a fragrância desse ramo vai me servir como comida e bebida pelo tempo que eu viver.”

20- Ele permaneceu com eles então por quarenta dia e noites até que os homens da Irlanda foram reunidos para ele em Tara. E ele os viu a todos reunidos em um lugar, e disse a eles: “Que crônicas vocês tem dos homens da Irlanda na casa real de Tara? Façam-nas conhecidas.” E eles responderam, “Nós não temos velhas shanachies, de fato, aos quais poderíamos confiar como crônicas até que tu vieste a nós.” “Vocês as terão por mim”, disse ele. “Eu vou estabelecer para vós a progressão das historias e crônicas do próprio centro de Tara, com os quatro quartos da Irlanda ao redor; pois eu sou a real testemunha erudita que explica a todos tudo o que é desconhecido.

21- Tragam-me sete de cada quarto da Irlanda, que sejam os mais sábios, os mais prudentes, e os mais astutos também, e os bardos do próprio rei que está no centro de Tara; pois é correto que os quartos estejam presentes na divisão de Tara e suas crônicas, para que cada dos sete possa tomar sua parte devida das crônicas do centro de Tara.

22- Então ele convocou esses bardos distantes, e relatou a eles as crônicas de cada parte da Irlanda. E depois ele disse ao rei, Conaing, “Venha para um espaço distante para que eu possa relatar a ti e à companhia de homens da Irlanda contigo como dividimos a Irlanda, como eu instruí aos quatro grupos de sete.” “Então ele relatou para eles tudo novamente em geral, e foi a mim”, disse Fintán, “que ele confiou para explicar e estabelecer perante a hoste, eu sendo o bardo (shanachie) mais velho que ele encontrou na Irlanda. Pois eu estive em Tul Tuinde no tempo do Diluvio, e eu estive sozinho aqui após o Diluvio por mil e dois anos, quando a Irlanda esteve deserta. E eu estive ao lado de cada geração que a ocupou depois até o dia que Trefuilngid veio à assembléia de Conaing Bec-eclach, onde Trefuilngid me perguntou através de seu conhecimento das perguntas.”

 23- “Oh Fintán,” disse ele, “e Irlanda, como ela foi dividida, e onde estavam as coisas dentro dela?”

“Fácil dizer,” disse Fintán, “conhecimento no oeste, batalha no norte, prosperidade no leste, musica do sul, reinado no centro.”

“Verdadeiro, sem dúvida, oh Fintán,” disse Trefuilngid, “tu és um excelente shanachie. É assim que tem sido, e assim será para sempre, a saber:

24- “Seu aprendizado, sua fundação, seus ensinamentos, sua aliança, seus julgamentos, suas crônicas, seus conselhos, suas historias, sua ciência, sua sabedoria, sua eloquência, sua beleza, sua modéstia, sua riqueza, sua abundancia, suas possessões – da parte oeste no Oeste.”

“Onde é isso?” perguntou a hoste, “Fácil dizer,” ele respondeu

“De Ae, de Umall, de Aidne, de Bairenn, de Bres, de Breifne, de Bri Airg, de Berramain, de Bagna, de Cera, de Corann, de Cruachu, de Irrus, de Imga, de Imgan, de Tarbga, deTeidmne, de Tulcha, de Muad, de Muiresc, de Meada, de Maige (isso é, entre Traige e Reocha e Lacha), de Mucrama, de Maenmag, de Mag Luirg, de Mag Ene, de Arann, de Aigle, de Airtech.”

25- “Suas batalhas também,” disse ele, “e suas contendas, suas dificuldades, seus lugares hostis, seus conflitos, sua soberba, seus ermos, seu orgulho, suas capturas, seus ataques, suas privações, suas guerras, seus embates, da parte norte do Norte.”

“Onde é esse lugar?” disse a hoste. “Fácil dizer: de Lie, de Lorg, de Lothar, de Callan, de Farney, de Fidga, de Srub Brain, de Bernas, de Daball, de Ard Fothaid, de Goll, de Irgoll, de Airmmach, dos Glens, de Gera, de Gabor, de Emain, de Ailech, de Imclar.”

26- “Sua prosperidade então,” disse ele, “e seus viveres, suas colmeias, suas contendas, seus feitos de armas, suas famílias, seus nobres, suas maravilhas, seus bons costumes, seu esplendor, sua abundancia, sua dignidade, sua força, sua riqueza, suas casas, suas muitas artes, seus acordos, seus muitos tesouros, seu cetim, sua sarja, sua seda, suas roupas, seus tecidos tingidos de verde, sua hospitalidade, da parte leste do Leste.”

“Onde são essas?” disse a hoste. ”Fácil dizer,” disse ele, “de Fethach, de Fothna, de Inrechtra, de Mugna, de Bile, de Bairne, de Berna, de Drenna, de Druach, de Diamar, de Lee, de Line, de Lathirne, de Cuib, de Cualnge, de Cenn Conn, de Magh Rath, de Magh Inis, de Magh Muirthemne.”

27- “Suas cachoeiras, suas belezas, seus nobres, seus arados, seu conhecimento, sua sutileza, sua musicalidade, sua melodia, seus menestréis, sua sabedoria, sua honra, sua musica, seu aprendizado, seu ensinamento, seus guerreiros, suas partidas de fídchell, sua veemência, sua ferocidade, sua arte poética, sua advocacia, sua modéstia, seu código, seus contratos, sua fertilidade, da parte sul do Sul.”

“Onde são essas?” disseram eles. “Fácil dizer,” disse Trefuilngid. “De Mairg, de Maistiu, de Raigne, de Rairiu, de Gabair, de Gabran, de Cliu, de Claire, de Femned, de Faifae, deBregon, de Barchi, de Cenn Chaille, de Clere, de Cermna, de Raithlinn, de Glennamain, de Gobair, de Luachair, de Labrand, de Loch Léin, de Loch Lugdach, de Loch Daimderg, deCathair Chonroi, de Cathair Cairbri, de Cathair Ulad, de Dun Bindi, de Dun Chain, de Dun Tulcha, de Fertae, de Feorainn, de Fiandainn.”

28- “Seus reis, além disso, suas hospedarias, sua dignidade, sua primazia, sua estabilidade, seus estabelecimentos, seus suportes, suas destruições, sua belicosidade, suas carruagens, seus soldados, seus príncipes, seus altos-reis, seus ollaves, seu hidromel, sua fartura, sua cerveja, seu renome, sua grande fama, sua prosperidade, da posição central.”

“E onde ela está?” disseram eles. “Fácil dizer,” disse Trefuilngid.

“De Mide, de Bile, de Bethre, de Bruiden, de Colba, de Cnodba, de Cuilliu, de Ailbe, de Asal, de Uisnech, de Sidan, de Slemain, de Sláine, de Cno, de Cerna, de Cennandus, de Brí Scail, de Bri Graigi, de Bri meic Thaidg, de Bri Foibri, de Bri Dili, de Bri Fremain, de Tara, de Tethbe, de Temair Broga Niad, de Temair Breg, o domínio de toda a Irlanda a partir desses lugares.”

29- Então Trefuilngid Tre-eochair deixou essas ordens com os homens da Irlanda para sempre, e ele deixou com Fintán, filho de Bóchra, alguns dos frutos do ramo que ele tinha em sua mão, para que ele os plantasse em quaisquer lugares que ele achasse que poderiam crescer na Irlanda. E essas foram as arvores que cresceram desses frutos: a Antiga Arvore de Tortu e a Arvore de Ross, a Arvore de Mugna e a Arvore Galhada de Dathe, e a Antiga Arvore de Usnech. E Fintán permaneceu relatando as historias aos homens da Irlanda, até que ele mesmo era sobrevivente das antigas arvores, e até que elas tivessem murchado durante seu tempo. Então, quando Fintán percebeu a própria velhice e a das arvores, fez uma canção:

30- Eu vejo claramente hoje

No cedo amanhecer após o levantar

de Dum Tulcha no oeste distante

sobre o topo da floresta do Líbano.

Pelo destino de Deus eu sou um velho

Eu sou mais relutante do que nunca

Faz muito tempo desde que bebi uma bebida

do Diluvio sobre o umbigo de Usnech.

Bile Tortan, Eó Rossa

um tão amável e espesso quanto o outro

Mugna e Craebh Daithi hoje

e Fintán sobrevivendo.

Por tanto tempo que ressoe Ess Ruaid,

será o tempo em que o salmão lutará nele

Dun Tulcha, ao qual o mar vem

não sairá de um bom shanachie.

Eu mesmo sou um shanachie perante todas as hostes

mil anos, e nenhum erro,

antes dos tempos dos filhos de Mil, abundancia de força

eu estarei dando claro testemunho.

31- Então ele fez essa canção, e permaneceu para relatar as historias dos homens da Irlanda até o dia em que foi convocado por Diarmait filho de Cerbail, e Flann Febla filho de Scannlan, e Cennfaelad filho de Ailill, e os homens da Irlanda também pediram julgamento por eles sobre a divisão das terras de Tara. E esse é o julgamento que ele passou, “que ela seja como a encontramos,” disse Fintán, “nós não devemos ir de contrario ao arranjo que Trefuilngid Tre-eochair nos deixou, pois ele era um anjo de Deus, ou Deus em pessoa.”

32- Então os nobres da Irlanda foram, como relatado, acompanhar Fintán a Usnech, e eles tomaram a permissão um do outro no topo de Usnech. E ele ergueu em sua presença um pilar de pedra com cinco bordas no cume de Usnech. E ele assinalou uma borda para cada provincia da Irlanda, pois assim eram Tara e Usnech na Irlanda, como dois rins em uma besta. E ele marcou um forrach nelas, isto é, a divisão de cada província em Usnech, e Fintán fez essa canção após arrumar o pilar de pedra.

33- As cinco divisões da Irlanda, tanto mar e terra

seus confins serão relatados, de cada divisão delas.

De Drowes da grande multidão, sul de Bellach Cuairt,

ao engolido Boyne, agradável riacho de Segais.

Do Boyne das brancas corredeiras, com suas centenas de portos,

ao gélido populoso Comar Tri nUsci.

Do agradável Comor com prazeres…

à passagem de feroz Cão que é chamado Glas.

Daquele Belach Conglais, formoso o sorriso,

à grande e verde Luimnech que se bata com a costa.

Do porto daquela Luimnech, uma baixa planície verde,

ao deixado verde Drowes contra o qual o mar se bate.

Sábia a divisão que as estradas receberam,

perfeito o arranjo que as dividiram em cinco.

Os pontos das grandes províncias correm para Usnech,

eles dividiram aquela pedra em cinco.

34- Então Fintán testemunhou que era correto tomar as cinco províncias da Irlanda de Tara até Uisnech, e o que era correto para eles também que fosse tirado de cada província na Irlanda. Então ele deixou os homens da Irlanda para aquele lugar, e ele foi para Dun Tulcha em Ciarraighe Luachra, onde ele foi afligido por uma fraqueza, e ele fez a seguinte canção:

Fraca hoje é minha vida muito vivida,

A ruína se apegou aos meus movimentos.

Eu não mais mudo formas

Eu sou Fintán, filho de Bochrá.

Eu estive um ano inteiro sob o Dilúvio

em poder do sagrado Senhor,

e mil agradáveis anos

eu estive só após o Dilúvio.

Então a companhia de puro brilho veio

e aportou em Inber Bairche.

E eu desposei a nobre dama

Áife, filha de Parthalon.

Eu fui por um longo tempo após isso

um contemporâneo de Parthalon,

até que dele partiu assim

uma vasta multidão inumerável.

A praga do pecado os alcançara

no leste de Sliabh Elpa,

por ela, feroz a resistência,

é nomeada Tamlacht na Irlanda.

Eu passei trinta anos após isso

até a chegada dos filhos de Nemed,

entre Iach Boirche, era antigo

vivendo na grama, sem contenção.

Em Magh Rain, com o conhecimento do Senhor,

Eu desposei Éblenn da pele radiante,

irmã de Lugh, velocidade sem traição,

filha de Cían e Ethliu.

Eu me lembro, história sem tributo

a lenda de Magh Rain,

na feroz batalha de Magh Tuiread

os filhos de Gomer forjando a destruição.

Foi uma crescente floresta, com ramos flexíveis

nos dias das Tuatha Dé Danann

até que os Fomorians a levaram embora para o leste

em seus barcos, após a morte de Balor.

……………………

A filha de Toga, do cinzento mar tempestuoso,

naquele tempo era uma mulher

ela, por quem Sliabh Raisen é nomeado.

Lecco, a filha do poderoso Tâl

e de Mid, cujas hostes eram magnificas

ela os encontrou na colina, sem tristeza

na companhia de Mid do sudoeste.

Embora eu esteja em Dul Tulcha hoje

mais e mais próxima está a dissolução

o bom Alto Rei que me apadrinhou até aqui

foi Ele quem pôs a fraqueza em mim.

35- Agora ele estava dolorosamente aflito quando ele percebeu os sinais da morte se aproximando, mas quando ele soube que Deus julgava que era a hora para ele morrer, sem sofrer mais uma mudança de forma, ele então fez a seguinte canção.

Eu estou devastado hoje em Comor Cuan,

Eu não tenho problema em dizê-lo,

Eu nasci, eu prosperei,

cinquenta anos antes do Dilúvio.

O brilhante rei me assegurou

que minha boa fortuna seria prolongada,

quinhentos, e cinco mil anos até agora,

essa é a duração do tempo.

Em Magh Mais, nos lugares secretos,

onde Gleoir está, filho de Glainide

foi lá que eu bebi a bebida das eras

uma vez que nenhum dos meus companheiros restou.

O primeiro navio, a celebração foi ouvida,

que alcançou a Irlanda após a transgressão,

E nele eu vim, do leste

Eu sou o filho de cabelos claros de Bochra.

Foi dele que eu nasci, do Senhor,

o descendente de Noé, filho de Lamech

após a destruição de Cessair eu estive em um espaço

relatando a historia da Irlanda.

Bith, filho de Noé antes de todos os homens

foi o primeiro que aqui veio viver

e Ladru, o ferreiro, depois disso

o primeiro a ser enterrado na terra.

Eu agradeço a Deus, eu sou um venerável senhor,

para o Rei que criou o sagrado céu;

isso não me é mais de lucro, como quer que seja,

minha decadência não me é de ajuda.

Cinco invasões, o melhor dos feitos,

a terra da Irlanda sofreu.

Eu estive aqui um tempo após elas

até os dias dos filhos de Mil.

Eu sou Fintán, eu vivi muito,

Eu sou um antigo shanachie das nobres hostes.

Nem sabedoria nem feitos brilhantes me reprimiram

até que a idade e a decadência caíram sobre mim.

36- Então Fintán terminou sua vida e sua era dessa maneira, e ele chegou a um arrependimento, e ele partilhou da comunhão e sacrifício da mão do Bispo Erc filho de Ochomonfilho de Fidach, e os espiritos de Patricio e Brigit vieram e estavam presentes na sua morte. O lugar onde ele foi enterrado é incerto, de qualquer modo. Mas alguns pensam que ele foi levado em seu corpo mortal para algum lugar secreto divino onde Elias e Enoque foram levados no paraíso, onde eles aguardam a ressurreição daquele venerável ancião de longa vida, Fintán, filho de Bóchra, filho de Eithier, filho de Rual, filho de Annid, filho de Ham, filho de Noé, filho de Lameque.

Finit, Amém.